sexta-feira, junho 29, 2007

Teorias sobre o Japão em Pinturas Mentais

Há quem diga que vivo de imagens; mas ninguém pode dizer que eu não vivo no Japão e por não haver país menos conceptual, usarei a pintura para o apresentar.

Vulcões Salaryman, aguarela
Viajo no metropolitano de Tóquio, olho em volta e, qual desvario kafkiano, os salaryman que se deslocam impávidos na rotina transformam-se de súbito em pequenos vulcões.
Desta fusão geo-humana surge um ser que controla os próprios instintos animais. Os japoneses fervilham como vulcões, mas têm o poder de manter o magma dentro deles até arrefecer. Vejo em cada salaryman um vulcão que embora não esteja extinto, não entra em erupção.

As tigelinhas de arroz, pintura a óleo
Foi também na ferro-via que se me coloriu repentinamente e sem explicação a seguinte tela de sinapses: cabe às japonesas a mesma descrição que se pode fazer à tigela de arroz branco (tão importante no quotidiano culinário). Ora, não se fica esfomeado nem muito cheio, satisfaz o suficiente; o arroz é saudável e sempre com bom aspecto, a tigela elegante e bonita; o sabor é sempre igual e difícil de distinguir, mas daí que não enjoe e seja apetecível a todas as refeições.

Biru kudasai, serigrafia
O álcool é o elixir da verdade, ninguém desconfia de um embriagado.
O povo japonês não pretende ser malicioso mesmo quando mente, o que pretende é ser simpático. E é com a potência alcoólica que o sol finalmente nasce para os japoneses poderem relaxar da formalidade da simpatia. (E os vulcões soltam a lava suavemente.)

Giro ou assustador?, acrílico
Este é um quadro de arte naíf: os japoneses simplificam a variação das suas reacções àquilo que acham muito giro e àquilo que lhes mete medo. Variam portanto entre o Kawaii! (giro) e o Kowai! (assustador). Do “a” ao “o” a diferença é mínima mas o resultado da sua utilização semântica é completamente oposto.

Estas imagens foram pintadas por mim, mas teorias há de outros olhares interessados, que fui escutando desde que meus tímpanos filtram sagazes o assunto Japão.

Peixes na água, aerografia
Donald Richie já reside em Tóquio e escreve sobre o Japão ao tempo que perfaz o dobro da minha idade. Numa entrevista-aerografia que folheei há uns meses, Richie diz que “perguntar a japoneses sobre o Japão é o mesmo que perguntar a peixes sobre a água”. Não se apercebem onde nadam nem porque o fazem, mas sabem nadar.

A caixa de comida, guache
Um neozelandês com quem conversei uma vez, deu-me a observar o seu quadro pop-art: “podemos perceber o Japão se olharmos para a caixa de comida obento, tudo está separado, ingrediente por ingrediente, nada se mistura”.

(Inspirado pela sua pintura, logo criei uma imagem sob essa influência, mas muito minimalista.
A bandeira, guache.
A bandeira do Japão, duas cores, simplicidade. O vermelho é o Sol, um círculo perfeito sobre a pureza branca.
Ali é vermelho, aqui é branco. Aqui é assim, ali não. Japão.)

Sem título, carvão
Para finalizar, uma pintura a carvão que ilustra genialmente este país, que me foi descrita por um compatriota, que havia escutado de outro compatriota.
Esta pintura é uma obra-prima, a preservar no Museu das Teorias Sobre o Japão em Pinturas Mentais. “Os japoneses são cem milhões de bonsais.” Recortados desde os rebentos, crescem deformados de personalidade, feitos para serem miniatura: o provérbio “Deru kugi wa utareru” completa esta imagem, “o prego que sobressai logo será amassado”.

(Decidi não colocar fotografias a acompanhar este texto e a razão é tão simples como a bandeira do Japão: o que se tratou neste texto foi de pinturas mentais)

5 Comments:

Blogger a.mar disse...

Obrigada pelas tuas imagens!

30/6/07 11:55 da tarde  
Anonymous Mãe disse...

...cheguei a casa depois de ver a exposição de pintura do Centro Cultural de Belem.
A colecção particular de Joe Berardo, o homem de quem se fala.
Surpreendeu-me a variedade de pinturas e o numero de quadros duma colecção particular.
Os meus olhos hoje têm pintura.
E agora surpreendeste-me tu,mais uma vez, afinal há pintura dentro de nós?
Em recolhimento vou "pintar" depois de ler o teu excelente texto.
Beijo grande da
mãe

2/7/07 3:40 da manhã  
Blogger catiazzz disse...

falta uma neste portfolio... e deve ser tão soberba ou mais do que estas pinturas.
Onde está a imagem a pastel?

3/7/07 7:14 da manhã  
Anonymous Fernanda disse...

Olá Tiago! Te encontrei no flybysky e não consigo parar de (te) olhar. O que posso dizer dele...não vou aqui tentar colocar firulas naquilo que não tem necessidade. Parabéns!!!
Abraços!

3/7/07 12:56 da tarde  
Anonymous bia disse...

Oi ....
olha vc conheçe algum pintor do japaão ???
eu tenho que fazer um trabalho sobre a cultura japonesa
se vc souber de alguma imagem com titulo e nome do pintor da para voce por favor colocar no meu blog que eh assim
wwwhellobicombr.blogspot.com e eh sem ponto no começo mesmo tah ??
bjuss..
bligadu

8/3/08 2:03 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home