quarta-feira, junho 13, 2007

Desempregado e feliz

Estive alguns meses empregado numa empresa japonesa à séria, uma experiência enriquecedora em todos os sentidos. Até para avolumar a minha alergia ao sistema da corporação, ao mundo do em prego, ao estatuto de objecto de levar marteladas.

Agora estou desempregado cinco dias por semana na galeria do Design Festa. O meu Sábado virou Quarta-feira e o sétimo dia é à Quinta. Realizo uma daquelas fantasias de cada um, faço o que gosto e ainda me dão de comer. Nesta empresa só usa gravatas quem quiser, não pela formalidade do trabalho mas para ajustar o rigor de vestimentas extravagantes. (A gravata não trabalha por ninguém, nunca deixará de ser um pedaço de tecido.)

Usuki-san é uma chefe dos anos 70: fã incondicional de Rolling Stones, não perde um único concerto de Iggy Pop no Japão. É ela a fundadora deste espaço onde qualquer pessoa pode expressar a sua originalidade e qualquer originalidade, já que como dizia o único génio que existiu no meu país, “Viver não é necessário. Necessário é criar.” Usuki-san acreditou em mim e dá-me a liberdade para essa necessidade, daí que eu me sinta desempregado, pois não há um dia que eu acorde sem vontade de ir trabalhar.

Também para as autoridades do Japão eu estou no desemprego. É o que revela a burocracia da minha condição de visitante temporário, que expira ao fim de cada três meses e não permite auferir ordenados. É irónico ou talvez não: para andar feliz preciso de estar à margem da lei.

Em breve esgotar-se-ão os três meses, mas basta-me uma maratona de poucas horas na cidade que coroou Rosa Mota para regressar à temporalidade feliz do desemprego.

(Não significa este texto que quem o escreve domine esse tema oculto que é a felicidade. Apenas anda entretido a fazer o que gosta de fazer. A felicidade pode não andar muito longe disso.)

8 Comments:

Blogger ana disse...

Fico tão feliz por ti.

13/6/07 4:43 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Não é só a Ana. Todos os teus "leitores", ficam.

Abraço

X

14/6/07 10:55 da tarde  
Anonymous girassol disse...

Acabo de verificar o tempo que passou, quando vejo as passagens que ainda não havia lido.
Sabe-se que o segredo de uma vida feliz esta em gostar, mas também aprender a gostar de fazer aquilo que se tem que fazer. Espero que continues muito feliz a cada novo dia...

16/6/07 7:12 da manhã  
Blogger bruno côrte disse...

Pareçe que reconheço esse edíficio... fica em Harajuku, certo??

17/6/07 9:14 da tarde  
Blogger SaN0 disse...

Parece ser um local de trabalho estimulante e criativo... se isso não é felicidade deve andar muito perto ;)

17/6/07 9:27 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

james san

já que estás "desempregado", será que tens tempo pra vir ouvir uns blues, ter dois dedos de conversa e beber um wisky comigo? Hoje vou estrear-me como Dj... :) Vou ao Clandestino mostrar os meus Blues, aquele feeling que já conheces.... (risos)

Os teus "leitores" que me desculpem, mas achei necessário ser público o sentimento..

Faz uma pausa na edição, e apanha o avião... :)

amigo
Vasco

20/6/07 12:12 da manhã  
Anonymous TLK disse...

"faço o que gosto e ainda me dão de comer." se isso não é felicidade então ela simplesmente não existe.

20/6/07 9:01 da manhã  
Anonymous Sakura disse...

Sim, é possivel fazer o que se gosta sem no entanto ser feliz. Até porque falta sempre alguma coisa ou... alguém :)

22/6/07 9:46 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home